sábado, 30 de abril de 2011

Polêmica no Forró ou Dois Países Dentro de Um Só

Não existe criatura mais rancorosa do que artista relegado ao ostracismo. Semana passada o cantor - e atual secretário de cultura do estado da Paraíba - causou polêmcia ao afirmar que o governo não pagará por grupos e artistas que “nada têm a ver com a herança da tradição musical nordestina”. E disse mais! Classificou todas as bandas que fazem sucesso comercial na atualidade como "bandas de forró de plástico".


Chico César - Arranca o seu cabelinho (de raiva) e chora (de inveja pelo sucesso alheio)


Como assim meu amigo Chico César? Quer dizer que os Aviões do Forró não representam a tradição musical nordestina? A banda Magníficos faz um forró de plástico? Não entrar aqui no mérito do resgate do forró de raiz, qualquer resgate de raizes culturais sempre será algo louvável, isso é óvio. O quero questionar é esse juízo de valor que se faz com a verdadeira música popular brasileira. Música de plástico?

Em fevereio tive o prazer de acompanhar o show da Garota Safada em cima do trio elétrico no evento Abraça Brasil na cidade de Olinda. Pude ver com meus próprios olhos a catarse coletiva que o forro como é tocado atualmente cusa na multidão. Se uma música de plástico tem esse poder, fico imaginando o pandeMônio que causaria uma música de aço.


Wesley Safadão & Timpin - Causando catarse coletiva no povo de Olinda


Chico César é de uma ápoca em que o domínio das gravadoras majors enfiava guela baixo do povo o que a elite achava que ele deveria consumir. Foi a pirataria que fez a balança pender para o lado povo. Foi inclusive na primeira geração pirata - lembram das fitinhas cassete vendidas nos camelôs? - que o forró foi resgatado do esquecimento pela banda Matruz com Leite, criada pelo visionário Emanuel Gurgel. Com o advento do CD e da revolucinária idéia do disco promocional que o empresário Isaias Duarte teve, os Aviões do Forró troxeram mais invovação e popularidade para o gênero.

De plástico é a vida dentro de uma redoma que essas pessoas que se acham de bom gosto e cientes do que é cultura de verdade vivem. É como eu sempre digo, existem dois país dentro do Brasil. Um Brasil que não sabe que o outro existe (quem diabos é Chico César?) e um Brasil que não quer que o outro exista (derrubem este avião do forró!)

7 comentários:

ê timpas, não consegue ver um meio termo na parada, né? essa defesa conservadora da tradição feita pelo chico césar tem um lado importante: bater de frente com máfias de shows (os seus amigos da A3, etc.) ou artistas que não tem a ver com o forró junino (Parangolé, Luan Santana, etc.)

Não é com atitudes assim que se bate de frente com as máfias. Muito pelo contrário, ao deixar tão subentendida assim essa batida de frente, só faz fortalecê-las.

Já a inclusão de artistas que não façam parte do forró junino, isso faz parte da natureza do povo brasileiro de misturar tudo. Se os tropicalista festejam a antropofagia eu celebro a autofagia!

- Se uma música de plástico tem esse poder, fico imaginando o pandeMônio que causaria uma música de aço.

Tu é phodastico mesmo..

Agora assista o Programa Conexão Arapuã (VÍDEO)
onde Chico César fala da Verdadeira cultura Paraibana

http://www.orkut.com/CommMsgs?cmm=104623&tid=5594765369557978509&na=4&nst=442&nid=104623-5594765369557978509-5598464109731254689

timpa, tem que haver um meio termo nisso não podemos também achar que por que o povo gosta é bom, nosso povo não foi educado para saber oque é bom ou ruim , foi educado na base do pão e circo, e apesar de eu ser fã de algumas bandas como finado felipão , garota safada, saia rodada , tb tenho sei que em muitas das suas musicas faz com que as pessoas que nao tem dicermimento se afunde achando que ralar a checa no chão é normal ou dar uma lapada na rachada. ou fazer uma versao de rock internacional , essa é nossa cultura ? temos que tentar mudar isso !achar um meio termo.. grande abraço !

"Chico César é de uma ápoca em que o domínio das gravadoras majors enfiava guela baixo do povo o que a elite achava que ele deveria consumir". Falou tudo.. Rapaz, tudo que é popular ou seja, que o povão gosta eles dizem ser fuleiro, não prestar. E Chico Cesar pra mim é um engodo de artista, não vejo nada de arte nesse homem, cantor?? quantos sucessos?? só me lembro de uma que tocava na novela mas, assim é fácil. Quero ver é ganhar o Brasil como as bandas de forró de plástico como ele diz estão fazendo. E pra encerrar, Chico vai te lascar!

Sinceramente, acho muito interessantes as análises do Timpin. Gosto quando critica o preconceito frente aos gêneros e artistas verdadeiramente populares, que são a música "do povo, pelo povo e para o povo". Mas há questões mais profundas que precisam ser consideradas. A quem se dispuser (e tiverr paciência pra ir até o final) recomendo a leitura do seguinte artigo do clunista James Martins, publicado na coluna Cheio de Arte, do portal Bahia Noticias (o cara foi até o âmago, como diz uma amiga minha): http://www.bahianoticias.com.br/entretenimento/noticias/cheiodearte/2011/04/20/240,chico-cesar-x-forros-de-plastico.html

Destacando alguns trechos:
"Não acredito em tradição estanque, conservada em formol, resguardada em mil preconceitos e medos. A tecnologia faz parte da cultura humana. Se eu fosse contra tocar forró com guitarra e teclado em defesa das sanfonas, teria que ser contra as sanfonas quando estas substituíram as rabecas. E assim regressivamente."

"Não adianta nada enfiar Sivuca na goela da galera em junho, mesmo com licor de jenipapo, se o ano inteiro tudo o que existe é tão distante das barbas brancas e das melodias líricas pungentes do velhinho".

"O mal está na mídia: na Folha de São Paulo, na Rede Globo, na Rádio Metrópole, no Bahia Notícias, que forjam um repertório artístico-cultural reduzidíssimo para a população. A usura dessa gente já virou um aleijão que não será sanado com meros protecionismos de Estado. É preciso criminalizar o jabá [...]".

"se houver uma verba pública para o mercado editorial, você acha que esta deve ser aplicada para publicar um livro do mesmo Haroldo de Campos ou de Paulo Coelho (ou Jorge Amado)? E eu não citei estes nomes pensando em suas literaturas, mas em suas vendagens. É para isto que existe a verba, para dar competitividade a eventos de maior ousadia e menor apelo midiático (ou mediúnico)."

Como diz o outro: sem mais.

Postar um comentário

Solta o verbo!

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More