O Rock Nacional Morreu e teve show Sertanejo no Enterro

O sertanejo substituiu o rock como a música consumida pela juventude brasileira. Se esta frase fosse escrita no começo dos anos 90, seria considerada ficção escatológica, mas na atualidade é a mais Pura Realidade.

Exaltasamba Anuncia Pausa na Carreira

Depois de 25 Anos de uma Carreira Brilhante e de Muito Sucesso, o Grupo Exaltasamba anuncia que vai dar uma 'Pausa' na Carreira.

Discoteca Básica - Aviões do Forró Volume 3

O Tempo nunca fez eu te esquecer. A primeira frase da primeira música do Volume 3 do Aviões doForró sintetiza a obra com perfeição: um disco Inesquecível.

Por um Help à Música Sertaneja

Depois de dois anos, João Bosco e Vinicius, de novo conduzidos por Dudu Borges, surgem com mais um trabalho. Só que ao invés de empolgar, como foi o caso de Terremoto, o disco soa indiferente.

Mais uma História Absurda Envolvendo a A3 Entretenimentos

Tudo começou na sexta-feira, quando Flaviane Torres começou uma campanha no Twitter para uma Espécie de flash mob virtual em que os Fãs do Muído deveriam replicar a Tag #ClipSeEuFosseUmGaroto...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Caso Michel Teló: a polêmica e o mistério continuam


Até agora ninguém da produção de Michel Teló se manifestou com relação à nossa postagem sobre o real motivo da separação da antiga formação do grupo Tradição. Da mesma forma, de todos os comentários, tanto aqui, como na reprodução do artigo no portal Yahoo, nenhum em defesa dele foi convincente. Pelo contrário, os comentários mais convincentes são justamente os que confirmam a história que contamos.

Antiga formação do Grupo Tradição: Wagner Pekois (guitarra), Michel Teló (vocais e sanfona), Arapiraka (percussão), Gerson Douglas (sanfona), Anderson Nogueira (bateria) e Carlos Dias (contrabaixo)

Exceção fica por conta do que Anderson Nogueira, baterista da formação antiga, que escreveu o seguinte:

"Os verdadeiros fas do Grupo Tradição, mas prestem atenção na palavra -VERDADEIROS, sabem a real historia e sabem que muita coisa é verdade e muita coisa que está escrito aí  não existe.  Agradeço aos VERDADEIROS FÃS DO TRADIÇÃO que de tão  verdadeiros sabem todas as coisas boas e ruins da carreira do grupo, desde o comeco até a nova formação que é maravilhosa.
E digo mais! 
Os verdadeiros fãs do Grupo Tradição, mas prestem atenção -VERDADEIROS, continuam brigando e apoiando o Grupo Tradição e também brigam e apóiam os antigos integrantes e também apóiam o Michel Teló. Fiquem com Deus, vamos esquecer o passado e seguir nossas vidas, afinal não somos bonecos de pano e nem fantoches. Somos profissionais que em cima ou fora dos palcos estamos tentando fazer o melhor para vocês fãs. Abraços.
Aderson Nogueira"

Um comentário ambíguo e um poco estranho. Algumas coisas na história que contamos seriam verdadeiras, outras não. Mas quais? Outra coisa, quem seriam afinal de contas os "verdeiros fãs do Tradição". Qual seria a acepção da palavra "verdadeiros" neste contextos. Não sei a vocês, mas parece que ainda tem muita coisa mal contada nessa história. Mais esqueletos podem sair deste armário. Ou será que eu estou errado? Vamos analisar a postagem anterior aqui do Cabaré, a entrevista com Gerson Douglas, sanfoneiro da formação anterior do Tradição.

A ambiguidade e a estranheza na matéria atingem níveis dramáticos, como nos seguintes trechos:

Evitando ao máximo “falar mal” do ex-parceiro, Gerson apenas explica o que a maioria dos fãs nunca entendeu. Porque os dois principais nomes do Tradição se separaram?
“Ele é meu irmão. Temos um sentimento puro. Mas as coisas tomaram um rumo bem diferente daquele que a gente tinha combinado”, comenta. Aos poucos ele vai se abrindo por concordar que “até hoje ninguém sabe a verdade sobre o que aconteceu”.

A passagem mais reveladora, a que praticamente confirma que uma história muito cabeluda aconteceu quando a antiga formação se separou, é a seguinte:

Os dois romperam “artisticamente” e hoje Gerson adapta trecho bíblico para falar do futuro. “Tenho de ser esperto como a serpente e manso como a pomba”, comenta ao explicar porque não quer a publicação de nenhuma história mais reveladora sobre os bastidores da crise com Teló. Ele desabafa, depois de muito insistência, em off, mas tenho de fechar a boca conforme prometido.

Insistimos nesse assunto por acreditar que a verdade deve vir à tona, para o bem de todo mundo. Do público, dos fãs e dos próprios artistas. Nada verdadeiramente de bom pode surgir de uma base composta de mentiras. Os envolvidos deveriam se manifestar, resolver as diferenças que maculam seus passados para, aí sim, partirem para novas histórias. Talento todos tem de sobra.

Para fechar a postagem, dois presentes a nossos leitores queridos, a música de trabalho do Trio Violada, novo projeto do sanfoneiro Gerson Douglas e também o disco mais recente da carreira solo do baterista (e agora cantor) Anderson Nogueira.



Para baixar o disco de Anderson Nogueira, CLIQUE AQUI!



............................................................................................

PS.:(1) Para quem está tomando conhecimento da antiga banda de Michel Teló, avisamos que era muito boa e que vale apena baixar os discos dela. Aqui o link pra baixar a DISCOGRAFIA DO GRUPO TRADIÇÃO.

PS.:(2) Colamos aqui os comentários mais relevantes, referentes a postagem sobre a verdadeira história de Michel Teló:



"Quem conhece Teofilo Teló pode imaginar o que passa por trás de assunto. Meu cliente, artista gráfico foi contratado pelos irmãos para criar personagens em quadrinho da banda Tradição. Realizou o trabalho, entregou o seu conteúdo e até hoje não recebeu pelos serviços prestados.

A gravadora Panttanal de propriedade dos dois, realizou alguns projetos culturais para a gravação do CD de Andre Barbosa, artista de acanhado talento,alçado a estrela pelo Faustão. Recebeu os valores do projeto e não entregou os CDS produzidos.

Infelizmente a midia não divulga estas histórias. Espero que um dia a justiça seja feita."

...

"Só faltou falar que persegue ex-funcionários, demite prende a CTPS alega abandono de emprego e quando é acionado, transfere a data da audiência p/ poder mudar o Juri, sonega muito, paga R$ 600,00 na CTPS e um mísero cache de R$ 250 por dia, quando os funcionários pedem aumento, leva o pai e os familiares e alega que o salário mínimo não sobe R$ 50 por ano, vai ver o valor do Show, se alguém fala algo o irmão + novo diz vcs estão conhecendo o mundo e chorando de barriga cheia."

...

"Até que enfim veio a tona a história!"

...

"E o pior é que essa história é toda verdade mesmo. O Michel ferrou com a vida do Tradição e fica aí pagando de bom moço. Na verdade isso que o Timpin contou é só a ponta do iceberg. Agora a verdade tá vindo à tona e isso vai ser bom pra mostrar quem é honesto e quem não é."

...

"Eu acredito que o Michel é uma boa pessoa, tem um coração bom.. O que contamina ele são os irmãos, por sinal são duas cobras, interesseiras... Como o Michel é daquele "familia acima de tudo" ele acaba indo na onda daqueles bostas e chateando muitas pessoas.
Mas essa é uma história muito delicada, onde (eu acredito) somente quem estava lá...quem participou de tudo sabe realmente oque aconteceu..

Agora depois que AQUELE Tradição acabou, tudo mudou.. todos mudaram.. Pode fazer o que for.. mas AQUELE Tradição era único... nunca sera igual (musicalmente falando).. gosto dos meninos da atual formação, mandam muito bem.. vozes lindas!! Mas é diferente DAQUELE Tradição... Que era diferenciado por ter um batidão forte.. vanerão.. coreografias.. ah era lindo.. E tá longe de existir nessa nova formação.. o que vejo é um grupo tocando sertanejo universitário.. Mas de todo coração eu torço pelo sucesso! =)
Concluindo, eu acho mais do que justo essa história vim a tona mesmo.. Todo mundo tem que saber disso! Acabar com aquela história que o Michel saiu para realizar seu grande sonho de carreira solo.. ah me poupe né.. Mas eu acho é que tinha que ferrar mesmo era seus irmãos... como eu disse no inicio.. eu acredito que o Michel tem um coração bom.. eu nao acho que aquele carinho que ele tem com todo mundo seja algo forçado.. o problema são as bostas chamadas Teófilo e Teotonio, esses sim merece tomar no rabo sem dó nem piedade."

...

"Parabéns pela iniciativa de postar algo tão polemico, mas de grande importancia para o povo, as pessoas precisavam saber disso. Admiro muito voce, diferente dos outros blogueiros que conheco que só pagam pau pra eles postam coisas com a intenção de aumentar o ego de michel e cia, voce é diferente, fala das coisas como ela realmente é. Agora é hora do mundo saber da verdade, eu espero. Afinal, aqui se faz aqui se paga!"

...

"Pura e simplesmente VERDADE confiram a entrevista do Gerson ex sanfoneiro e ex amigo, ainda pegou leve http://www.campograndenews.com.br/lado-b/diversao/ex-sanfoneiro-do-tradicao-diz-que-nao-tocaria-mais-com-michel-e-lanca-novo-grupo se não conseguirem abrir copien e cole, outra coisa alguém se lembra do Japonês que não desgrudava dele, o Miyazato pois bem confira se ele faz algum trabalho para ele, muitas outras pessoas próximas se decepcionaram, o cara só pensa em dinheiro.
Quanto as pessoas que pensam que ele é uma vitima dos irmãos, estão equivocados ele sabe de tudo e é conivente, tanto que até a ex-esposa conseguiram tirar ela fora da jogada, e ainda praticamente nomearam outra a tal Ferroza, que atende o perfil (Aceita tudo caladinha) e também o perfil de negócios, esta família eles só pensam em NEGÓCIO$$$, j´prejudicaram muita gente o deles esta vindo a cavalo e a galope ainda vai passar muita água podre por debaixo desta ponte de papel de seda, será que ela vai agüentar?"



Ex-sanfoneiro do Tradição fala de Michel Teló e lança novo grupo


Autora:  Ângela Kempfer
A carreira é tão longa, algumas histórias são tão mal resolvidas, que é melhor ser bem direta depois da entrevista com Gerson Douglas, o ex-sanfoneiro do Tradição. Bem, ele continua com o mesmo corte de cabelo (o dos cachinhos), usa óculos e mora ainda no Jardim Leblon, em Campo Grande.

O filho cresceu, a esposa ainda é Karina (como há 15 anos) e a sanfona continua como principal meio de sustento.
O que mudou, outra vez, foram os parceiros artísticos. Agora ele toca ao lado do violeiro Alessandro Brosolato (um bonitão do interior de SP) e do cantor Denilson Graciano (sargento do Exército). Juntos, lançam no dia 7 de abril o Trio Violada, durante show em Brasilândia.
No dia 18, Gerson reencontrou Michel Teló por acaso, no festival Planeta Universitário, em São Paulo. Como sanfoneiro pronto, que não precisa de qualquer preparação para tocar uma música, Gerson foi indicado para participar do show do português Lucenzo, dono do sucesso Danza Kuduro.
“Eu estava esperando a hora de entrar quando o Michel me viu no canto do palco e me convidou para tocar com ele. Na hora a gente se olhou e eu já introduzi o Barquinho, foi demais. Fiquei muito emocionado. Ele disse que me amava e só falou coisas boas no palco”.
Mas foi apenas um encontro rápido, a relação com o ex-parceiro também foi outra mudança grande dos últimos tempos. Depois de 20 anos tocando juntos, os dois mal conversam hoje em dia. Evitando ao máximo “falar mal” do ex-parceiro, Gerson apenas explica o que a maioria dos fãs nunca entendeu. Porque os dois principais nomes do Tradição se separaram?
“Ele é meu irmão. Temos um sentimento puro. Mas as coisas tomaram um rumo bem diferente daquele que a gente tinha combinado”, comenta. Aos poucos ele vai se abrindo por concordar que “até hoje ninguém sabe a verdade sobre o que aconteceu”.
Apesar do novo projeto e do Trio Violada ser o principal motivo dele ter concordado com a entrevista, Gerson, extremamente humilde e simpático, aceita falar e parece gostar de relembrar os velhos tempos.
O sanfoneiro conheceu Michel Teló ainda no Colégio Dom Bosco. Com o pai paraplégico, depois de um acidente com moto, o rapaz teve de se virar para ganhar dinheiro. “Eu tocava porque precisava, o Michel porque queria”, explica.
Na lida da música de raiz, eles passaram a integrar grupos diferentes, até se encontrarem de novo no Tradição. “O Michel me chamou, 3 meses depois dele entrar no grupo”. Tudo foi lindo durante os 13 anos de fama, mas o futuro juntos acabou quando o loirinho decidiu sair.
O Tradição estava estagnado, sem nenhuma novidade e os problemas internos sobre os investimentose formas de divulgação do grupo incomodavam . As decisões eram tomadas muitas vezes sem a participação de todos os 11 integrantes da sociedade, entre músicos e empresários, o que instalava o tempo ruim. “Eram muitas brigas”, resume.
A família Teló ganhava cada vez mais voz e batia de frente com o empresário Wagner Hidelbrand e assim as coisas foram degringolando.
Um dos momentos de clara mudança de planos dos Teló em relação ao projeto coletivo foi em uma das atualizações do layout do site do grupo. Ao abrir a página, o que aparecia primeiro era “Blog do Michel”.
Sem comunicar nada ao Tradição, Michel anunciou em um programa de TV a carreira solo. “O pai dele disse, chama o Gerson e lá fomos nós. Toquei um ano com o Michel, mas não aguentei”, lembra.
Durante um ano, Gérson conseguiu “aguentar” o papel de coadjuvante, mas a “parceria” com o amigo minguou cada vez mais, também por regras impostas pela família, que administra a carreira de Michel.
O sanfoneiro tinha de respeitar o cantor como a única estrela, o cachê passou a ser como o de qualquer outro, Gerson foi obrigado a ser mais um no palco. Para esclarecer, minha impressão não é de um músico recalcado com o sucesso do amigo. Vejo sim uma pessoa que quer ser um artista mais completo.
“Eu sabia que seria um coadjuvante, mas não pensei que fosse ser desse jeito. Nunca fui só sanfoneiro, gosto de me expressar como artista completo, foi isso que deu certo no Tradição”.
Os dois romperam “artisticamente” e hoje Gerson adapta trecho bíblico para falar do futuro. “Tenho de ser esperto como a serpente e manso como a pomba”, comenta ao explicar porque não quer a publicação de nenhuma história mais reveladora sobre os bastidores da crise com Teló. Ele desabafa, depois de muito insistência, em off, mas tenho de fechar a boca conforme prometido.
Compositor, acostumado a escrever “andando na rua ou no banheiro”, conta, o músico já conseguiu emplacar 3 canções em novelas da Rede Globo e já foi convidado também 3 vezes para retornar ao Tradição. “Tenho um projeto meu e acredito nele”, justifica a recusa.
O hit “Ai se eu te pego”, na voz do ex-parceiro, foi uma surpresa para Gerson, assim como outros sucessos de Michel. “Eu nunca acreditei em Fugidinha, e essa outra música eu até achei que ia estourar, mas nem tanto. Sempre pensei que o Michel seria famoso, mas pensava que só ia chegar perto do Luan Santana, nunca que seria maior. Mas o que me preocupa mesmo é que a fama é da música, não do trabalho do Michel. Já com o Luan é diferente, o cara tem muitas fãs.”
Gerson confessa que “pede a Deus“ para que consiga também fazer “nem que seja só uma musiquinha” que também cole como chiclete e faça o Trio Violada estourar. “Tem de pedir a Deus e ao empresário, né”, reforça o cantor Denilson Graciano, parceiro de Gerson na nova empreitada.
Sobre o fenômeno internacional Michel Teló, Gerson não parece arrependido de largar tudo e investirem um novo grupo. “Se eu estivesse com ele, estaria ganhando um cachê pequeno para ficar até 2 meses longe da família. A única coisa que seria legal era conhecer Roma, Paris, comer salsichão na Alemanha, um sonho que eu tenho. Mas deixa, isso aí eu vou fazer um dia, nem que seja para pagar parcelado”.

PS.: Agradecemos ao leitor Rafael Gomes da Silva por fornecer o link desta entrevista


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Samba ou Pagode? Eis a questão!

Karla Ikeda é a melhor blogueira inerte que eu conheço. Manja muito de pagode, já trabalhou em assessoria de imprensa na área. Pena que ela escreva sobre o assunto tão ocasionalmente. Ontem ela saiu do armário e dissertou sobre a diferença (ela existe, afinal de contas?) entre Samba e Pagode. Reproduzimos aqui seu texto na íntegra. Mas não deixem de acessar seu Blog Ki Comunica, que recomendamos muito.

Karla Ikeda, do blog Ki Comunica, autora do texto abaixo

Estava fuçando uns e-mails antigos e desenterrei esse, que era um texto para ser enviado para o blog BiS da MTV... Tão antigo (2009/2010 acho), mas tão atual que resolvi postá-lo aqui. O que acham?


Já comentei aqui que tenho uns amigos de odeiam pagode, né? Então, foi discutindo com uma amigooooona que me veio a inspiração para esse post! Irei contextualizar:

- Vamos pro pagode, galera?
- Nem morta, Káká... Fui em um enganada no sábado... me falaram que era samba e era um pagode horrível!
- O grupo que tava tocando que era ruim, vou num legal, juro!
- Não tem pagode bom...
- Você tá sendo preconceituosa... Que feio!

Daí, no dia do fatídico pagode, nossa outra amiga foi me buscar em casa e falou que precisava passar na casa dessa com quem discuti porque ela ia também! Fiquei tipo o caminho todo perguntando "Mas ela vai mesmo?! Mentira! Você tem certeza?!" ... Sim, ela tinha certeza e quando a menina entrou no carro começou uma nova discussão:

- Vou beber todas pra aguentar esse pagode viu!
- Para! Você vai gostar!!!!
- Pô! Adoro samba, mas pagode não dá!!!
- ........ (pensando) Tá... mas qual a diferença?
- Ah! Sei lá, pra mim tem um monte de gente em cima do palco é pagode!
- .............................

Desculpem minha ignorância, mas, para mim, samba e pagode é tudo igual (aiii vão chover comentários me xingando)!!! Pra mim é tudo é batucada e "A batucada, a batucada te pegou, meu amor! Firma na palma da mão!!!".

Esses dias li na internet: "Por que o ExaltaSAMBA toca pagode e o Zeca PAGODINHO toca samba?" ... Mas... Quem disse?
Na teoria da minha amiga, o Demônios da Garoa seria pagode (são várias pessoas no palco! pensem!)... E, talvez, muita gente torcesse o nariz para eles, só porque seria pagode... mas torcer o nariz para eles seria meio ridículo, né? São os Demônios da Garoa, afinal!

Tenho impressão que a mídia elege umas pessoas e fala "Isso é samba! Isso é cult! Gostem disso!", normalmente é o pessoal mais velho: Zeca, Demônios, Fundo de Quintal. É aquele pessoal que tem história, que tá na batalha faz tempo, que já existia quando não existia preconceito com o samba. Os jovenzinhos são pagode, salvo exceções como o Dudu Nobre e o Diogo Nogueira, por exemplo, mas a biografia deles explica (Dudu é afilhado de Zeca, Diogo é filho de João Nogueira... E o comentário não foi maldoso não, viu fãs? Gosto dos dois - principalmente do Diogo gatinho pronto falei! - , mas é um fato isso que eu estou falando).

Acho que eles devem fazer isso com os grupos novos porque acham que vai ser só modinha, sabe? Tipo... Já já sai o vocalista para tentar carreira solo e o resto do grupo desanda ou eles se metem em escândalo e acaba o grupo, aquelas coisas que também já comentei na minha apresentação, que até faz sentido as pessoas comentarem, mas que não ter nada a ver super valorizar. Vai ver que, quando os pagodeiros de hoje forem velhinhos, eles virem sambistas e as pessoas parem de torcer o nariz!

Enfim... Eu não sei direito a diferença de samba e pagode... Eu juro que eu queria discursar mais sobre isso, mas não sei! Eu sou meio lesada para esses rótulo... Sei lá a diferença entre rock'n roll, hard core, emocore ou psy, trance, electro... Aliás, para mim, é simplesmente isso: rótulos!!! No final é tudo música!!!

Para mim tem samba/pagode bom e samba/pagode ruim... Aquela história do conjunto: presença de palco, repertório e blá blá blá! Abri essa discussão mesmo para expor minha opinião (ou minha não opinião) e deixar espaço para quem souber a diferença entre samba e pagode e afins vir aqui me explicar... Serei muito grata, inclusive!

Ahhhh!!! E deixa eu contar da tal da minha amiga!!! Bebeu demais mesmo, mas curtiu, viu? E digo mais!!! Cantou os pagodes, dançou e ATÉ xavecou os pagodeiros!

Pronto! Entreguei!!! E fuuuuuuuuui!!!!!

Vou em refugiar no Afeganistão pra não ser assassinada por uma amiga com vergonha de sua vida exposta na web! Mando textos de lá!

Nota 2012: Agora tá na moda colocar música popular (sertanejo, pagode, funk, forró e até technobrega) nas trilhas das novelas... As pessoas têm escutado com menos preconceito ou, talvez, esse preconceito esteja mais velado... Mas aposto que a ainda tem muita gente que pensa como essa minha amiga aí, que ainda é minha amiga. Que não me mandou pro Afeganistão quando eu disse que ia publicar o texto, mas que talvez ainda me mande, visto que, na verdade, na verdade mesmo, ele só está sendo publicado agora... Amiga, te amo!  

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Ziriguidum! R.I.P. Aviões do Forró


É o fim de uma era. Foi-se o tempo em que os Aviões do Forró eram os maiores. Foi bom, foi ótimo enquanto durou, mas acabou. Seria melhor ainda se encerrassem as atividades de uma forma digna e nos poupassem de coisas sofríveis como a música "Ziriguidum" que lançaram essa semana. Trata-se da regravação de uma banda baiana chamada Filhos de Jorge. A música em sim não é ruim, acontece que não tem nada a ver com o estilo dos Aviões. Inclusive Xandy parece cantar com uma má vontade suprema. Como se estivesse sendo forçado a fazer isso. O que, dadas as circunstâncias, não é de duvidar.



Ziriguidum é a cerveja de um bolo empastado e indigerível chamado "Promocional de Setembro". Um dos piores promocionais que os Aviões lançaram desde que inauguraram a prática dos promocionais, na primeira metade da década passada. Parece que a A3 Entretenimentos está bagunçada e sem gerência.

Pois vejamos. Estão investindo mundos e fundos no Forró do Muído. Por um lado estão fazendo a coisa certa, Márcia Felipe manda bem e tem sua estrela, Rod Bala tem talento de sobra (e ainda não inteiramente explorado, diga-se de passagem) como produtor e a idéia de cinco backing vocals que dançam é genial. O problema é o nome, a marca Forró do Muído. Por mais que façam e aconteçam, pro resto da vida o público vai associar o nome a Binha Cardoso, Simone e Simaria. Se fechassem o Muído e montassem uma nova banda, aí a coisa poderia rolar. E rolar bem. Do jeito que estão fazendo, é jogar dinheiro no lixo.

Enquanto isso, as atuais duas melhores bandas da empresa não são devidamente trabalhadas. Solteirões do Forró e Forró dos Plays estão azeitadíssimos. Isaias tem uma galinha dos ovos de ouro nas mãos e não se atenta a isso. Doindim de Mossoró, vocalista dos Plays é um astro em potencial. O cara é uma galinha, um frangote de ouro que tem talento, carisma e boa pinta pra se tornar um astro. Um Solteirões repaginado para uma pegada pé de serra ou de vaquejada também teria boas chances, Zé Cantor e Taty Girl tem cacife pra isso.

Mas não. Parece que depois que André Camurça e Zequinha Aristides saíram da A3, a impressão que se tem é que Isaias cercou-se de puxa sacos sem um pingo de visão artística e de mercado. É uma decisão estratégica errada atrás de outra. Por enquanto ainda tem dinheiro no caixa para bancar sua insanidade. Quero ver quando tudo acabar. O melhor seria aterrissar este Avião antes que se espatife no chão ou pior, que seja obrigado a fazer um deprimente pouso forçado na região semi-árida do Vale do Pajeú.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Confusão no Cafofo de Pith Batidão ou Arranca Rabo depois do programa A Liga, sobre tecnobrega


Semana passada foi ao pela TV Bandeirantes o programa A Liga sobre tecnobrega. Os destaques foram Gaby Amarantos e Gang do Eletro. Era tudo o que o pessoal de Belém queria, que o tecnobrega fosse divulgado em rede nacional. Mas não foi bem isso o que aconteceu. Muita gente não gostou da maneira como tudo foi apresentado. Em seu perfil no Facebook, o Dj Pith Batidão externou sua opinião e com isso, catalizou uma série de desabafos de outros belenenses nos comentários. As palavras de Pith Batidão foram as seguintes:

"Minha opinião sobre o programa é a seguinte. Eles agiram o tempo todo como se a tremidinha, o treme, o passinho, o piripaque e etc fossem um ritmo. Como meu amigo Joe Benassi falou uma vez, isso não é um ritmo, isso é uma dança. Deu a entender que aqui no Pará só toca Gang do Eletro e Marlon Branco. Eu não tenho nada contra eles, até porque são meus amigos, acho que faltou ao programa mostrar outros tipos de tecnomelodys, que apesar de serem versões de músicas internacionais, são as músicas que realmente predominam aqui em Belém e no resto do Pará. Vou dar exemplos de algumas bandas: AR-15, Os Brothers, M-Synck, Anjos do Melody, Bruno e Trio, Banda 007, Estrela do Melody, Kalango, Os Karinhas, Companhia do Tecno, New Melody e muitas outras". (Pith Batidão)

Pith Batidão, músico e produtores de tecnomelody

Várias pessoas concordaram com as palavras de Pith Batidão. Mais de oitenta pessoas curtiram a publicação e os comentários superaram as duas centenas. Do coro dos descontentes, o mais exaltado foi Joe Benassi. Suas palavras saíram carregadas de um certo revolta incontida:

"...só fico triste que os "bola da vez" não tenham a minima consideração, lealdade, bom senso, escrúpulo, de orientar a produção do tal programa, pra que fosse feito um documentário claro, transparente, real e acima de tudo íntegro...  Mas por outro lado ate que não foi tão ruim, serve pra baixar a bola de uma meia duzia que se acha a nobresa do techno melody se achando superior as bandas que eles excluirm forçadamente do techno melody para o que eles deram um titulo novo chamado Tremidinha." (Joe Benassi)

David Sampler e Joe Benassi

Sua revolta no entanto é compreensível. Afinal de conta lá estava a Gang do Eletro sob os holofotes, aclamada pelo seu inovador eletromelody (o tecnomelody padrão do Pará, mais acelerado e mais pesado, devido à mistura com eletrohouse europeu) e ele foi o criador da mistura, juntamente com o cantor Marcos Maderito. Contigências do destino fizeram com que os dois seguissem caminhos diferentes. Hoje Joe está na batalha com sua Techno Machine junto com David Sampler e talento pra chegar onde a Gang do Eletro está chegando, tem de sobra.

Waldo Squash, hoje o maestro da Gang do Eletro, é um cara extremamente diplomata, centrado e de bom senso. Quando a fogueira estava queimando no tópico de Pith Batidão, apareceu para esclarecer as coisas. A declaração de Waldo foi a seguinte:

 "Amigos, isso é só o primeiro passo para o crescimento real da cena, essa não foi a primeira e nem será a ultima reportagem que será feita aqui. O mercado musical tem espaço para todo mundo, basta ter paciência e trabalhar duro. Não sei se vocês perceberam, mas já tem uns 5 meses que a Gang do Eletro não grava musivas novas. Isso é por que estamos trabalhando duro fora do estado, tentando vender o som que agente faz.Mas esse trabalho não é pra exaltar somente a Gang do eletro, e sim a todos que trabalham o mesmo Gênero musical. 

Os meninos da banda UÓ tem um publico muito grande dentro do brasil e estão ajudando a espalhar o rítmo. Sair da sua terra e tentar conquistar novos amantes desse tipo de musica não é fácil, em todo lugar tem uma cena musical que é muito diferente do que vivemos em Belém, o som daqui soa estranho no ouvido das pessoas fora. Mas vamos chegar lá com ajuda de todos, queríamos poder colocar todas as bandas dentro da matéria, tanto que convidamos os meninos da ARK para a gravação no dia do SUPERPOP, mas isso fica a critérios dos editores, eles vieram aqui e nós levamos eles nas festas do Tupinambá, SuperPop, Badalasom... não levamos em mais por que Mega Principe e Rubi não estavam tocando em Belém no final de semana em que eles estavam gravando. Mas em fim, vamos nos ajudar que a coisa anda, minha gente!" (Waldo Squash)

Dj Waldo Squash

Com a declaração de Waldo Squash ficou claro que todos os deslizes da matéria são única e exclusivamente de responsabilidade da produção da matéria. O motivo pelo qual estou contextualizando aqui os principais comentários, é que eles são reveladores de uma característica muito forte que tenho notado nos artistas paraenses, principalmente os da cena do tecnobrega: a desunião e uma aparentemente indestrutível rede de intrigas. É raro encontrar alguém - e o Waldo é um desses raros alguéns - que não fale mal de outro alguém. É isso que prejudica o movimento e que praticamente inviabiliza a coisa toda na forma de um movimento. Pra finalizar, colo aqui o meu depoimento na discussão, que mais ou menos sintetiza o que eu penso a respeito:

"Em primeiro lugar, temos que parar com essa mania de achar que uma reportagem, principalmente feita por alguém de fora, vá dar conta de toda a diversidade musical local. Isso é impossível, ou os caras mantém um foco ou o telespectador não vai entender nada. 

Em segundo lugar é essa desunião. O tecnomelody é um ritmo consolidado, mas está muito longe de ser um movimento. Como ritmo, o tecnomelody não conseguirá estourar nacionalmente. Pode uma banda ou um artista, que é mais ou menos o que está acontecendo com a Gaby Amarantos e com a Gang do Eletro. 

Acompanho a cena de perto já fazem quatro anos e tenho percebido um padrão: todos esperam que o tecnomelody estoure, mas como não há um movimento, como disse, isso nunca vai acontecer. Ou as pessoas esquecem o "estouro" e se concentram em "trabalho contínuo em harmonia" ou vai ficar por isso mesmo por mais quatro anos. 

A coisa vai mudar no dia em quer surgir alguém com carisma e poder de liderança pra superar todos os rancores que, como pude observar, quase todo mundo tem contra quase todo mundo. Até lá, nos resta torcer e que cada um faça uma análise de sua própria consciência. " (Timpin)

Timpin, cafetão desta espelunca que ele chama de Cabaret


segunda-feira, 15 de outubro de 2012

O contraponto da onda retrô, em reação à modernização da Musica Pop Brasileira


Toda a ação, gera uma reação. Enquanto a MPB tradicional segue em estado de catatonia, sempre à espera de um novo gênio que revigore o gênero, a música verdadeiramente popular passou por um processo de modernização sem precedentes nos últimos anos. As razões são diversas, desde o barateamento do equipamento de gravação, até as facilidades de distribuição e difusão proporcionada pela Internet e as redes sociais.
Em Belém do Pará, Edilson Moreno & Marcos Maderito, cantor da Gang do Eletro, representam bem o amigável convívio entre duas gerações.

Desde o tecnobrega da Região Norte, até o vanerão do Rio Grande do Sul, abrangendo tudo o que se encontra no caminho entre esses dois polos, todos os gêneros foram profundamente renovados. Forró, brega, axé, swingueira, arrocha, funk, lambadão, sertanejo, pagode, todos os gêneros deram passos gigantescos para se modernizarem e se assumirem como a nova música pop brasileira. Essa foi a ação. A reação está se dando numa volta ao passado, um sentimento de nostalgia que faz com que o público de volte para os sucessos de passado. A onda dos revivals chega com tudo entre os gêneros populares.

No Norte a onda agora é o tal do FlashBrega e a profusão de coletâneas intituladas Melodys Marcantes, lembrando sempre que por lá o tecnobrega é chamado tecnomelody. O curioso é que os detratores, quando o ritmo estourou, falavam que eram músicas extremamente descartáveis, que nunca fariam parte de um passado, que seriam varridas para o latão de lixo da história. Mais uma vez está comprovado que os pessimistas são péssimos profetas.

Já no nordeste, a onda retrô consolidou-se no Movimento Forró das Antigas. Capitaneado pela trinca Mastruz com Leite, Limão com Mel e Magníficos, o movimento reúne as três bandas (às vezes com outras mais) em um único show e tem obtido lotação máxima por onde quer que se apresente. Trata-se de uma reação ao "forró elétrico" que se disseminou depois do sucesso dos Aviões do Forró, onde as letras românticas não são prioridade. O próprio retorno ao sucesso de Toca do Vale é um reflexo dessa tendência de reviver o passado.
Toca do Vale voltou às paradas de sucesso com a regravação de "Carangueijo", do cantor Latino.

Dois estados do Nordeste representam polos criativos importantes: Pernambuco e Bahia. Em Pernambuco o caldeirão criativo está fervendo. De um lado a invasão dos MCs com sua mistura de brega com funk, swingueira e calypso: Sheldon & Boco, Metal & Cego, Afala & Case, dentre outros. De outro, a geração que cresceu escutando Banda Calypso (que verdade seja dita, apesar de ser paraense, foi em Pernambuco que estourou) e que agora montou suas próprias bandas e criou uma das cenas mais produtivas do país: Banda Kitara, Banda Metade, Musa do Calypso, Pank Brega, Boa Toda, mais dezenas de bandas. O MCs apontam para o futuro, as bandas bregas reciclam o passado. O legal de Pernambuco é que todas essas tendências vivem em harmonia, apresentam-se juntos e a concorrência é sadia. E de cereja do bolo, ainda temos o sambista mais inovador do Brasil na atualidade, João do Morro.

A Bahia por outro lado vive um impasse. A privatização do carnaval estruturado nas micaretas, agravado pelo surgimento de um monopólio, secou vivacidade do axé. Este ano nem Ivete Sangalo e Cláudia Leitte conseguiram emplacar um sucesso incontestável. Não fosse a Oito7nove4 com "Se não puder voar", o carnaval teria passado batido sem nenhum hit arrasa-quarteira.

A Swingueira (ou pagode baiano ou ainda, quebradeira, não existe um rótulo único) poderia e teria condições de substituir o axé como carro-chefe da música local, mas as elites ainda não vêem o ritmo com bons olhos e com raras exceções, como Harmonia do Samba por exemplo, ainda ficam em segundo plano na mídia, apesar do imenso sucesso popular. Mas mesmo na Swingueira, depois dos trabalhos revolucionários do Psirico e do Edcity, já se nota a proliferação de "coletâneas de relíquias" do passado nas redes sociais.

Capa do novo disco "Isso é que é favela" do cantor de Swingueira Edcity. É sua pegada moderna e revolucionária que puxa o contra-ponto saudosista das "coletâneas de relíquias"

O arrocha é um fenômeno mais complexo. Multifacetado, caótico e completamente ignorado pela crítica cultural, usa essa liberdade não vigiada para atirar em todas as direções e acertar quase todo mundo. Nota-se influência do arrocha na música sertaneja, no forró, na vanera gaúcha, no brega, no vanerão gaúcho e no tecnobrega. Não dá pra se dizer se existe onde nostálgica por que o arrocha nunca deixou de viver e reviver o passado.

No funk carioca temos dois cabeças de área na onda retrô: Mc Coringa e Mc Chocolate. A exemplo do arrocha, o funk é outro ritmo desprezado pela crítica e que apesar de disso, contamina outros ritmos. E também a exemplo do tecnobrega, todos diziam que no futuro o funk não teria um passado e que seria totalmente esquecido, pelo fato de ser descartável. Mais um erro do conservadorismo.

Depois de um 2011 de ressaca criativa, o pagode voltou para as paradas com os cariocas virando o jogo pra cima dos paulistas. Embora muito sutil, essa invasão carioca não deixa de representar uma releitura do passado, pois os cariocas nunca abandonaram por completo sua pegada fundo de quintal e partido alto. Bandas como Bom Gosto, Turma do Pagode e Pike Novo não recriaram o pagode a partir da sonoridade antiga, mas prosseguiram de onde os paulistas pararam. O fim das atividades do Exaltasamba e os primeiros discos solo de Thiaguinho e Péricles são a comprovação definitiva dessa tendência.

Péricles, depois do fim do Exaltasamba, estréia solo com um disco de pegada retrô.

No atualmente multimilionário segmento da música sertaneja a onda nostálgica vive ainda como uma latência, como uma oportunidade ainda não explorada. Artistas que poderiam explorar essa tendência, como Gusttavo Lima por exemplo, lançam single após single fazendo uso de fórmulas prontas unicamente para encher o bolso de seus empresários. No entanto, correndo por fora dos holofotes da mídia, nomes como João Carreiro & Capataz e Eduardo Costa, consolidam um público fiel e tem seus shows sempre lotado.

Finalmente chegamos ao insular Rio Grande do Sul, provavelmente o Estado mais isolado da federação. Apesar do Tchê Garotos ter emplacado uma música na novela Avenida Brasil da Rede Globo, são poucas as bandas que se sobressaem no resto do país. Também lá, muitos artistas tem voltado seu som para uma pegada mais tradicionalista, para poderem voltar a tocar nos CTGs (Centros de Tradição Gaúcho), que proíbem expressamente qualquer modernice.

Com tudo isso não estamos querendo dizer que o processo de modernização vai acabar e que uma grande volta ao passado irá ocorrer. Muito pelo contrário, esse sentimento nostálgico é a prova definitiva de que a modernização é definitiva. Os conservadores continuam esbrabejando que a música brasileira está perdendo sua essência e sua qualidade com isso, mas a história comprovou, com inumeráveis exemplos, que eles sempre estiveram errados.

Com o Brasil cada vez mais na moda no resto do mundo, não seria um delírio insano arriscar que o Brasil está grávido da nova música pop planetária. É só esperar pela Copa do Munda e pelas Olimpíadas para que o resto mundo saber que Michel Teló e "Ai se eu pego" é apenas uma lasquinha de gelo que se desprendeu da ponta de um iceberg gigantesco.

sábado, 13 de outubro de 2012

TimTim por Timpin - Macumbas&Maioneses

E para esta noite de sábado, apresentamos a nossos frequentadores, mais um empreendimento deste cafetão que vos escreve. Estou agora tocando um blog pessoal, onde abordo outros assuntos além de música. Já tem duas postagens, onde conto as desventuras de meu relacionamento afetivo mais recente. A série já conta com dois capítulos. Quem se interessar, basta clicar nos dois links abaixo.

Macumbas&Maioneses - parte 1

Macumbas&Maioneses - parte 2

Aguardem o desenrolar da história, estilo melodrama mexicano.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

A verdadeira (e sórdida) história de Michel Teló


Semana passada Michel Teló foi pra mídia reclamar que o Minc se recusou a ajudá-lo em um documentário, através da Lei Rouanet. O cantor queria um milhão e trezentos do governo (entenda-se, do povo que paga os impostos que sustentam o governo) para documentar seus passeios pela Europa, na esteira do sucesso de "Ai se eu te pego" que, diga-se de passagem, tem sua autoria até hoje contestada na justiça.


Na entrevista ao Universo Sertanejo (clique aqui) ele não consegue deixar de transparecer sua arrogância. Declarou que com seu infame hit levou "...o nome do país pra fora, o país voltou a ser notícia por algo de cultura". E mais. Questionado sobre a regravação não autorizada de "Bará Berê", que era música de trabalho do cantor Leo Rodriguez, insinuou que ela será trabalhada apenas no exterior e que isso o isenta de se preocupar com detalhes bestas, como direitos autorais. E ainda chamou Leo Rodriguez de mentiroso, dizendo que a música nem dele é!

A questão é que Michel Teló pousa de mocinho e de mocinho ele não tem nada. Quer desmascarar esse pulha? Pergunta pra ele qual foi a verdadeira história de sua saída de sua antiga banda, o grupo Tradição, do Mato Grosso do Sul. Peça para Michel Teló explicar porque a banda se dilacerou, com todos os membros, que tocavam juntos a anos, partindo cada um para lado. Essa história nunca foi bem contada. Aliás, essa história nunca foi contada, apesar de que todo mundo que trabalha nos bastidores do mercado sertanejo saiba. Mas o público e os fãs não sabem. Por isso este cabaret vai trazê-la à tona.

Tudo começou em 2008, quando o grupo Tradição estava finalizando seu DVD Micareta Sertaneja 2. O anterior tinha rendido um disco de ouro e uma apresentação no Domingão do Faustão. Tinha tudo para não só repetir a dose como ainda apresentá-los para o resto do Brasil, já que seu sucesso ainda era regional. Ocorre que quando tudo já estava pronto, inclusive a arte final do DVD, Michel e seu seu irmão Teófilo Teló, disseram que as oito músicas que estavam registradas na editora Panttanal, que era deles, só seriam liberadas mediante ao pagamento de uma pequena fortuna por cada uma. Valores absurdos, completamente acima do valor do mercado.

Naturalmente a banda declinou da proposta, alegando que se fosse o caso, excluiriam as tais oito músicas e seguiriam em frente. Então os dois rebateram: se fosse feito assim, os direitos de uso das imagens do cantor não seriam liberados. O que se seguiu foi uma discussão que, segundo fontes seguras, chegou às vias de fato. Em seguida foi convocada uma entrevista coletiva em que Michel Teló anunciou sua carreira solo, tranquilizando os fãs de que compriria a agenda de shows já vendidos, permanecendo na banda por seis meses. Isso depois de cantar na banda a mais de dez anos. Ele foi descoberto pelos empresários do Tradição quando ainda era adolescente.

Durante meio ano a banda se apresentou por toda a região Sul e Centroeste disfarçando nos palcos o clima horrível que imperava nos bastidores. Chegou agosto de 2009, Michel desligou-se da banda, levou debaixo do palco toda a estrutura de palco e ainda estreou solo usando nos cartazes de divulgação a expressão Micareta Sertaneja. Deixou pra trás uma banda falida e despedaçada. Todos os outros membros saíram, como exceção do guitarrista Wagner Pekois que insistiu em tentar o que na época era considerado por todos uma louca utopia, recomeçar do zero.

E foi o que ele fez. Inicialmente viajou ao Rio Grande do Sul e em Ijuí recrutou os irmão Guilherme e Leonardo Bertoldo, cantor e baterista do grupo Os 4 Gaudérios, respectivamente. Da banda sul matogrossense Zíngaro contratou o sanfoneiro Jefferson Villava, o baixista Leandro Azevedo e o percussionista Marcio Pereira. Formação nova, gravaram o disco "Caixinha de Surpresas" e caíram na estrada por dois anos até adquirirem a sinergia e a verba necessárias para a gravação de um novo DVD.

O DVD "Tô de férias", lançado independente, acabou sendo um dos melhores lançamentos sertanejos de 2010, apesar da baixa repercussão que teve na mídia. E assim o Tradição continua na batalha até hoje. Recentemente lançaram um single de sucesso, chamado "Ui adoro" que, apesar não tocar nas rádios, já teve mais de um milhão de downloads, que os levaram a gravar o clipe que vocês podem assistir abaixo.



Só que a lei do karma ruim é implacável, a música "Ai se eu te pego" pode estar tocando no planeta inteiro, mas o "sucesso" de Michel Teló é uma bolha, uma mera ilusão porque ele não tem fãs. Ao contrário da maioria dos cantores e saem de suas bandas e se lançam em carreira solo, os fãs do Tradição não migraram para o lado do cantor, muito pelo contrário, permaneceram ainda mais fiéis à banda, sendo praticamente uma extensão do departamento de divulgação. Enquanto a preocupação de Michel é ganhar mais e mais dinheiro, o Tradição segue apostando na construção de uma carreira artística de qualidade.

O dia em que algum empresário visionário resolver investir no Tradição, o Brasil irá conhecer um dos melhores shows da atualidade. Se no momento Michel Teló é um dos artistas mais saturados do país, certamente o Tradição é o segredo mais bem guardado. Quem vai entrar na história como o mocinho e quem vai entrar como o bandido, só o futuro dirá. Mas não é muito difícil de adivinhar.

sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Wesley Safadão & Banda Garota Safada - Uma Nova História

Está chegando o DVD que lançará Wesley Safadão nacionalmente. Uma Nova história.

"Ui Adoro" - grupo Tradição - Clipe Oficial


O Tradição é daquelas bandas que mesmo sem mídia, tem uma base sólida de fãs e por onde quer que passem, sempre tem um fã clube para visitá-los no camarim e bater fotos. Depois que Michel Teló saiu da banda em agosto de 2009, toda a formação foi renovada e depois de lançarem o DVD "Tô de férias", gravado ao vivo na pria de Camboriú, chegou a vez do primeiro clipe, com o single que já é sucesso de downloads (mais de um milhão) "Ui Adoro".



Este clipe representa mais um vitória da banda perante aos inúmeros percalços que a banda vem enfrentando desde que estreou com a nova formação, composta por Guilherme (vocais), Leandro (baixo), Oseas (Guitarra), Fabricio (sanfona), Leonardo (bateria) e Márcio (percussão). Por conta de um malfadado contrato com uma empresa de faixada, ficaram recentemente quase dois meses sem tocar, perderam praticamente toda a equipe técnica e agora estão mais uma vez recomeçando as atividades. Em breve contaremos aqui mais detalhes desta história sórdida.

Com vocês o clipe oficial de "Ui Adoro":



quinta-feira, 30 de agosto de 2012

A3 Entretenimentos & os Meliantes do Forró - Parte 2

Segue abaixo o depoimento do diretor da TV Meio Norte de Matões, estado do Maranhão, sobre a agressão que o cinegrafista Wandson Maycon sofreu, por ordens da equipe de produção da banda Aviões do Forró, de propriedade da A3 Entretenimentos de Fortaleza, Ceará. Nosso blog vai insistir nesta tecla para que a maior quantidade de pessoas saiba do ocorrido, para que talvez essas injustiças não se repitam. (Para ler a Parte 1 desta matéria, CLIQUE AQUI)

Sávio Maia - o agressor da A3 Entretenimentos


Quero, em nome de toda a nossa equipe agradecer a solidariedade de todos que nos apoiaram, e nos deram forças neste momento difícil de nossas vidas profissionais. Meu nome é Reinaldo Vieira e sou dono da empresa em que Wandson trabalha. Nossa empresa presta serviços para TV Meio Norte de Teresina e é contratada pela Prefeitura Municipal de Matões para fazer a cobertura de todos os eventos promovidos pela prefeitura.

Toda minha equipe é formada por evangélicos. Wandson e eu, que também estava filmando no mesmo local, trabalhávamos autorizados pelos organizadores do evento. Eu, que estava no palco também com uma câmera, recebi varias ameaças por parte deles. A prefeita veio ao palco e falou pessoalmente com eles, explicando qual era o nosso trabalho. Eles concordaram, só que desde quando eles chegaram em Matões, percebemos um forte desentendimento entre eles mesmos.

Não me agrediram também porque eu estava no palco e todo publico iria ver quem realmente é Aviões do forró. Falei com eles pessoalmente antes do show, como era feito nosso trabalho, e concordaram, mas de repente - parece que possuído por demônios - mudaram de ideia com referencia a nosso trabalho.

Não nos esclareceram nada, nem a mim e nem ao cinegrafista Wandson. Não fazíamos a menor ideia do que estava realmente acontecendo entre eles. Tanto é que o produtor confessou tudo na delegacia. Disse claramente ao escrivão que Wandson estava falando toda verdade.

Graças a Deus que pelo menos na delegacia ele foi sincero, quando ele parou para pensar em tudo que havia feito com humildes trabalhadores, que estavam no show porque éramos Obrigados a cumprir um contrato com a TV e com a prefeitura.

Ele ainda, lá mesmo diante dos agentes da policia, nos propôs acordo, e nós não aceitamos, pois para nós o dinheiro não é tudo, a nossa dignidade não tem preço, tem sim valores éticos profissionais e morais. Hoje não desejo o mal para Aviões e sua equipe, sei que a justiça da terra as vezes falha, mas o Deus a quem eu sirvo não falhará, quem planta vento colhe tempestade.

E mais uma vez, muito obrigado a todos que contribuíram publicando esta matéria para que o nosso povo brasileiro reveja os seus conceitos na hora de escolher seus ídolos.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

A3 Entretenimentos & os Meliantes do Forró


Essa não é a primeira, nem a segunda e nem a vigésima terceira história de violência envolvendo sócios e empregados da A3 Entretenimentos, empresa de Fortaleza proprietária da banda Aviões do Forró, dentre outras. Desta vez o sinistro ocorreu na cidade de Matões, no Maranhão, onde estava acontecendo o Oitavo Matões Fest. Era o último dia do festival, os Aviões do Forró encerrariam as festividades e a TV Meio Norte estava lá para fazer a cobertura do evento, através de seu repórter Wandson Maycon.

Wandson Maycon após a agressão

O produtor da banda Sávio Maia porém, não deixou o repórter filmar em cima do palco, o que obrigou o profissional a fazer seu trabalho a uma distância de mais ou menos vinte metros. No entanto Sávio, através de um raio laser, tentou dificultar (para não dizer impossibilitar) o trabalho de Wandson. Sem sucesso, o produtor enviou um segurança, que foi abrindo caminho entre o público com extrema violência e chegando lá, quebrou o equipamento do repórter.

Alegando um acerto de contas para quitar o prejuízo, o repórter foi encaminhado pelos seguranças do Aviões do Forró para a escada de acesso ao palco, onde levou um empurrão e um soco no olho. Repito, esta já e enésima história de violência envolvendo membros da A3 Entretenimentos, este é o mudus operandi da empresa. Levam o desafeto para um escondidinho e enquanto os seguranças imobilizam a vítima, os funcionários (ou proprietários) espancam até dizer dizer chega.

Tanto é, que os sócios com um mínimo de caráter, estão abandonando o barco para não terem mais seus nomes associados a esses casos sórdidos. Primeiro foi André Camurça, que pulou fora para montar sua Social Music. Agora é Zequinha Aristides que colocou sua parte à venda. Como se tudo fizesse parte de um amplo e intrincado plano da justiça divina, Isaias CDs está em vias de ficar só e o pior, falido.

É fato que o meliante tem muito dinheiro, mas não há fortuna que resista à obcessão vingativa de seu proprietário. Não é segredo para ninguém no mercado de que Isaias CDs tem vendido shows do Aviões a preço de banana para mafiar e ferrar com a agenda das coleguinhas Simone e Simaria. Também não resta dúvidas a ninguém de que a recente contratação de Rod Bala como novo baterista do Forró do Muído, nada tem a ver com melhorias na qualidade sonora da banda, nem motivações artísticas, mas sim atrapalhar o trabalho de divulgação do DVD "Uma nova história" de Wesley Safadão e banda Garota Safada. Especula-se que a recissão de contrato de Rod Bala ficou em torno de quatrocentos mil reais.

No caso da confusão em Matões, foi registrado boletim de ocorrência e agora está tudo nas mãos da justiça, que no Brasil todos sabem que tem uma forte tendência a pender para o lado de quem tem mais dinheiro, o que nos leva a facilmente prever uma enorme rodada de pizzas no final do processo e uma enorme banana de Sávio Maia direcionada a Wandson Maycon.

Sávio Maia - Membro da quadrilha A3 Entretenimentos

Mas um dia a casa cai. A própria banda Aviões do Forró não está mais com essa bola toda que acredita estar. As recentes aparições da banda na mídia nacional é puro fruto de jabá e não de sucesso popular. No próprio site www.palcomp3.com, que no forró é um termômetro confiável, faz meses que a banda figura em segundo lugar. O Forró do Muído tornou-se um enorme elefante branco e os Plays e os Solteirões, jamais terão cacife para deixarem de ser bandas de segunda divisão.

Enquanto isso, outras bandas vão construindo novas histórias e transformando essa era de gangsterismo do forró em uma lamentável página dos livros de história. A tendência é que tudo dê certo no final e, se tudo ainda não está certo, é que o final ainda não chegou.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Tradição Sudoeste´s Paraná Tour 2012 - parte 1


Prelúdio

Quatro horas da manhã de uma quinta-feira de agosto de dois mil e doze. Ponto de ônibus do Bairro São Dimas em Colombo, região metropolitana de Curitiba. O frio é cortante e a neblina tocada por uma leve brisa parece esfregar na cara quem manda naquela porra chamada madrugada. Minha mochila preta é a única companheira e toda vez que a olho flagro olhando também pra mim, relembrando-me minha missão: acompanhar o grupo Tradição em sua turnê pelo sudoeste do Estado do Paraná.

A principio não irei sozinho. Uma amiga fará o papel de cinegrafista amadora. Pura frescura. Nada mais que uma jogadinha para não viajar sozinho e de quebra, conseguir algumas fotos com uma gata para postar no Facebook e posar de gostosão nas redes sociais. O nome disso é babaquiçe.

O frio não arrega, mas o ônibus chega. Monte Castelo-Guaraituba. É o primeiro de pelo menos três, para tentar chegar na rodoviária antes das oito da manhã.

Corta para o Terminal Guadalupe.

Introdução

Todos os ônibus chegaram rápido e no vazio do trânsito da madrugada, antes das seis da manhã estava no centro. Como na rodoviária é embaçado sair toda hora pra fumar, optei por matar um tempo no Terminal do Guadalupe. O frio estava cada vez mais filho da puta. Pelo meus cálculos a amiga já deveria estar acordando para se arrumar e chegar antes das oito na rodoviária. Com as mãos trêmulas vasculhei os bolsos atrás do celular para telefonar. Do outro lado da linha uma voz sonolenta me informa que não, o combinado não era antes das oito na rodoviária, mas sim antes das treze.

Desliguei o telefone amaldiçoando todas as espécimes viventes sobre a face da terra, animais e vegetais, mas principalmente e mais especificamente eu mesmo.

Cena 1

Cagar fora do penico é humano, não seriam as pitangas que eu iria chorar. A vida deve ser vivida em toda a sua eterna e imorredoura essência. As seis da manhã de uma quinta-feira o Terminal do Guadalupe fervilha de vida. Bêbados, trabalhadores, loucos, estudantes, vagabundos, putas, pregadores da palavra de Deus, biscateiros, mendigos e um blogueiro.

Pedi uma café, uma Coca-Cola, acendi um cigarro e puxei assunto com uma mulata já na faixa dos quarenta, rosto acabado pelo tempo, corpo conservado pelo alcool e pelo sexo e com uma pinta de ser completamente maluca das idéias. Mas aparentava ter classe, o que é o mais importante. Em dez minutos de Talk Show já tinha levantado a ficha completa da "mina".

Quando jovem tinha sido um espetéculo de mulata. Vivia a vida como ela vinha. Conheceu um grego, casou com ele e teve a primeira filha. Conheceu um argentino, casou com ele e teve a segunda filha. Separada do hermano, de volta ao Brasil, montou uma pousada no litoral paranaense. Até que um dia o pai adoeceu, morreu e ela caiu em depressão e alcoolismo. Entrementes uma vizinha que a anos alimentava um ciúme doentio contra Raquel (esse era o nome da mina) e denuciou ao conselho tutorial que a filha de Raquel estava a dois meses sem ir para a escola.

Raquel perdeu a guarda da segunda filha. Daí o universo de sua vida implodiu e ela passou a viver na rua. Mas repito: sem perder a classe. Do contrário ela não repararia que eu estava tremendo de frio e a um tempão andando de um lado pra outro feito um cão sem dono.

Perguntou de mim, falei por alto que estava meio que perdido no mundo, pelo menos no momento e que, de novo pelo menos no momento, minha maior preocupação era morrer de frio. Daí fomos pra lanchonete, pedi mais um café, ela pediu mais um café (com conhaque) e ficamos nos esfregando, coxas, braços, mãos, dedos, cangotes, na tentativa de ela me aquecer.

Foi assim que eu sobrevivi ao frio da madrugada do Terminal do Guadalupe. As oito horas da manhã haviam chegado e eu peguei o buzum para o trabalho, ao invés da rodoviária e minha ida para o sudoeste do Paraná encontrar o Tradição estava seguramente adiada.

Peguei os contatos de Raquel, trocamos um selinho e piquei a mula para o segundo capítulo da aventura.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

A música do ano: "Toca essa bosta"

Que a música sertaneja nunca fez tanto sucesso na história deste país, isso ninguém com um pingo de sanidade é capaz de contestar. Mas que o momento atual enfrenta um séria crise na qualidade de seus maiores hits, isso também ninguém pode negar. Ninguém, menos meu amigo Marcus Blognejo, que em seu blog insiste em uma defesa quixotesca do gênero (clique aqui para conferir). Depois que Jorge (Jorge & Mateus) e Victor (Victor & Leo) resolveram romper o silêncio em entrevistar para o blog Universo Sertanejo (aqui e aqui) e denunciar o estado das coisas, todo mundo no mercado passou a discutir o tema.



Semana passada rolou mais um capítulo desta celeuma, o cantor cuiabano Divaney, da dupla Zé Antônio & Divaney, no conforto do seu lar, compôs, gravou e publicou a canção-manifesto "Toca essa bosta", que compartilhamos com os frequentadores de nosso humilde cabaré.

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

A Vida, o Universo e Tudo Mais


Ano de fim do mundo Maia. Ano de escolhas difícieis e arriscada. Muitas tentativas e muitos erros. Pelo menos para mim, 2012 está sendo um daqueles anos que mudam definitivamente os rumas de uma biografia. Nada será como antes, para o bem e para o mal. Meu diálogo com o mundo e com a vida está sendo bem intenso. Presepadas bem armadas de ambas as partes. Jogo para quem tem culhões e sangue nas veias.

Quem acompanha esse cabaré ocasionalmente ou não tem contato comigo nas redes sociais talvez não saiba, mas as pessoas mais "próximas" certamente sabem, passei por um período bem difícil em minha vida. Fim de um casamento de oito anos, a distância dos filhos, sem trabalho, aperto financeiro, mergulho no alcool e saúde debilitada. Fui lá no fundo do poço e ainda dei uma cavocadinha extra. Mas, confirmando o clichê arquetípico da redenção, aqui estou, mais firme, mais forte e mais uma vez, mais sem juízo e sem noção. Um sobrevivente torto e debochado.

As postagens deram uma boa parada justamente por conta de minha readaptação a essa nova fase de minha vida. Cidade nova, emprego novo, novos relacionamentos, tudo isso consome muita energia mental. Não que eu tenha parado de escutar, acompanhar e pensar em música, apenas me faltou tesão para passar tudo "para o papel". Aos poucos pretendo voltar à velha forma. É só uma questão tempo, podem apostar.

Enquanto isso, baixem o disco novo de Victor & Leo, aúdio do DVD gravado em Florianópolis. Em tempos de tanta porcaria musical lançada no mercado sertanejo (vide a nova Bará, Berê de Michel Teló) é uma bênção que alguém lance um disco tão bom.

O disco está disponível para download no excelente blog do meu amigo Gabriel Orriz, o ModãoMS. CLIQUE AQUI PARA BAIXAR.

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Se botar o sucesso de Gaby Amarantos na vitrine, ele não vai valer um e noventa e nove.


Sei que o título desta postagem pode parecer meio agressivo, mas não falo isso como crítica negativa dela e nem do disco dela. Digo isso em termos do que ela poderia fazer para que o tecnobrega conquiste o Brasil e que não está fazendo. Para entender isso, vamos repassar os últimos acontecimentos na carreira da diva.





Quem agora vê Gaby Amarantos onipresente na mídia nem imagina que a pouco mais de dois anos atrás, ela cogitava até em largar a carreira e ganhar a vida num escritório qualquer de Belém do Pará. Não porque a cena local estivesse desaquecida, mas sim porque todas as tentativas de exportar o ritmo para o resto do país haviam fracassado. Então surgiu a banda Djavú, de Capim Grosso, Bahia. Com o repertório plagiado da banda paraense Ravelly, os baianos estouraram nacionalmente em poucos meses. A reação veio a cavalo.

Em tempo recorde, a Bis Entrenimento, empresa promotora de eventos pertencente às Organizações Maiorana, poderoso império de mídia do Pará organizou a gravação de um DVD com diversos artistas e bandas de tecnobrega. Devido ao atraso de um ano para ser lançado e à falta de um conceito claro que justificasse aquele balaio de gatos, o projeto foi um fracasso retumbante. No entanto, a briga Pará versus Bahia serviu para que o resto do Brasil soubesse que alguma coisa de muito novo estava rolando na musica paraense e Gaby Amarantos soube, como ninguém, tirar proveito disso.

Quando o produtor Carlos Eduardo Miranda decidiu-se por investir seu talento no tecnobrega, foi ela a escolhida e durante meses a fio, o disco "Treme" foi sendo lapidado. Nesse meio tempo ocorreu o festival de música Terruá Pará, em duas noites no auditório do Ibirapuera em São Paulo, reunindo diversos nomes do estado. Na platéia estava Nelson Motta, que encantou-se com o que viu e ouviu. Foi a porta de entrada de Gaby na Rede Globo e hoje sua música toca diariamente na novela Cheias de Charme.

Todo esse resumão que fiz sobre a ascenção midiática de Gaby Amarantos foi para chegar no seguinte ponto. A postura dela não está ajudando em nada o tecnobrega enquanto movimento musical.

Em suas entrevistas e depoimentos ela exalta o ritmo e só. Ela não cita outros artistas paraenses, ela não levanta a bola de ninguém de sua antiga turma e parece não entender que não existe "movimento" de um artista só. Sozinha, ela jamais estourará o tecnobrega como sucesso de massas. Com isso, nem ela fará sucesso de massas, pois uma coisa é estar toda hora na televisão e outra é ter sua música executada e ouvida nas ruas.

Para se ter uma idéia, em Belém Gaby é figura fácil em cartazes publicitários e propagandas de TV,  todo mundo por a conhece, só que suas músicas não tocam nas festas de aparelhagens. Daí fica essa situação estranha que acaba prjudicando o tecnobrega como um todo, Gaby ganha fora e perde em casa, enquanto com o resto da cena ocorre o contrário.

Para que o tecnobrega estoure nacionalmente precisa ocorrer um amplo entendimento entre todos os envolvidos. Inclusive a própria banda Djavú tem que deixar de ser demonizada. Dane-se que sejam baianos e não paraenses, a música não tem fronteiras. Tem que se admitir que Geandson Rios e Juninho Portugal inventaram um sutil mudança na batida do tecnobrega que caiu no gosto popular. A Djavú só não conseguiu vôos mais altos unicamente por estar constantemente envolvida em tretas legais por conta de plágios. Um acordão coletivo traria vantagens para todo mundo.

Por enquanto Gaby está lá, todo o dia na telinha da Globo, mas quando a novela acabar e o disco "Treme" deixar de ser o hype do momento, como vai ser? Sem um revezamento, a coisa não vai longe. Tem mais gente que pode ajudar a segurar o tranco jogando novidades no mercado.

Gaby está tendo sua chance, agora chegou a vez da ARK, Os Brothers, Viviane Batidão, Valéria Paiva, Anjos do Melody, MSynck, AR-15, Ravelly, Bruno e Trio, Banda Bantidão e mais uma cacetada de gente.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

EXTRA! O novo web hit "Mainha, Painho" da Companhia da Lapada é plágio

Não falei no post anterior que o tal "Ariosvaldo" era picareta? A empresa dele, especializada em picaretagens musicais é a Premier Promoções, como sede no bairro do Pina no Recife. Pois acabo de descobrir que (apesar da genialidade do clipe), trata-se de um plágio descarado. 


E assim deciframos o da frase "jacaré que dorme vira bolsa": um provocação direcionada à verdadeira autora da música, a cantora de uma banda do bairro de Casa Amarela chamada Top 10.


Confiram a versão original da Top 10, com letra mais leve, sem os palavrões:


quarta-feira, 23 de maio de 2012

Companhia da Lapada "Mainha Painho" - O Primeiro Grande Web Hit de 2012

Senhores, com vcs o primeiro grande web hit musical de 2012. Tem cacife pra concorrer com "Minha Mulher Não Deixa Não", só que impedida de ir pra grande mídia por conta do uso do baixo calão na poesia (a exemplo de "Puta que o pariu (meu gato botou um ovo)". De ontem pra hoje foram 50 mil visualizações. 



Na verdade trata-se de mais um presepada de um tal de Ariosvaldo, o nome correto de foge agora, ficou famoso por roubar o repertório inteiro de um disco da Calypso. Ele era empresário da banda e com o produto do furto, montou a genérica Companhia do Calypso. Pois bem, ele tinha uma banda de tecnobrega especializada em roubar músicas de Belém e lançar no Recife através de uma banda chamada Lapada. Agora surgiu com essa Companhia da Lapada, seguindo a onda dos Bregangstas nos MCs da periferia.

Enfim, trata-se de um larápio da pior estirpe, mas tenho que me render, essa música e esse clipe são GENIAIS!!!!! Apreciem com moderação.


quinta-feira, 10 de maio de 2012

Bonde do Serrote, a banda mais fuleira (com muito orgulho!) do Brasil


Nesse mês foi lançado o CD de estréia da banda que se propõe a ser a mais fuleira do Brasil.  Num país de dimensões continentais como o nosso e com um povo que tem uma dificuldade enorme de se levar a sério preenchendo todo esse enorme território, esta não é uma proposta simples de ser levada a cabo. Só que após a audição das 19 canções do album, a impressão que fica na mente do ouvinte é que esses moleques provavelmente foram felizes em suas intenções: eita fuleragem da porra, ôme do céu!



Bonde do Serrote Volume 1 é pura merda no ventilador da Musica Popular Brasileira e  este não é um comentário pejorativo, é um daqueles casos raros de algo que é tão ruim, que chega a ser bom. A nova geração da MPB inteira (os superestimados Crioulo, Marcelo Geneci e Maria Gadú inclusos) deveriam ser trancafiados em uma sala hemeticamente fechada e escutar esse disco cinco vezes, durante vinte e três dias seguidos, para deixarem de serem uns perfeitos malas sem alça.

Para contar a história desta banda, é assaz necessário contar a história de seu fundador/produtor/compositor/empresário/dançarino/arquiteto/video maker/traveco enrustido Ermínio Félix. Baixista, morador do bairro Nova Brasília de Salvador, começou a carreira tocando com diversas bandas de Swingueira até fixar-se no Arrocha, emprestando todo o seu groove para a banda Bonde dos Playboys.

Tudo seguia calmo e tranquilo na banda, sem maiores solavancos e contratempos, até que o lazarentinho inventou de gravar um video caseiro com mais dois colegas e postar no Youtube. Na película, os meninos inventaram uma nova dança em cima de um antigo hit de forró, a muito tempo esquecido pela plebe, intitulado "Passa o serrote" . Intitularam a produção como "Dança do Serrote", deram um up load e foi aí que fudeu tudo. A porra caiu feito uma bomba nas redes sociais e no momento em que escrevo estas singelas linhas, o vídeo já foi assistido um milhão, cento e quarenta e um mil, duzentas e trinta e duas vezes.

O Astro Ermínio Félix, catequizando novos arrocheiros nas ruas de Nova Brasília

Na esteira do sucesso de sua criação, Ermínio Félix foi parar na maioria dos programas populares da TV aberta brasileira de rede nacional, exceção feita ao Domingão do Faustão, o que só atesta a visível queda de qualidade e audiência do programa. Até convites para apresentação no exterior, como em Londres por exemplo, o pirralho recebeu, mas teve que declinar em função das dificuldades em obter um passaporte, devido ao fato de ter o nome sujo na praça a muitos e muitos anos.

Com o tempo, a dança do serrote passou a ser o ponto alto das apresentações do Bonde dos Playboys. O número de fãs rapidamente ultrapassou a casa dos cíncos dígitos e o inevitável acabou acontecendo: a criação de uma banda paralela, que desse conta de toda a histeria popular criada em torno da dança. Esta é a gênese do Bonde do Serrote. Explicações dadas, vamos agora ao disco propriamente dito.

Se dezenove não fosse um número ímpar, um quarto das canções teriam a palavra dança no título: "Dança da furadeira", "Dança da lagartixa", "Dança do Chapolim", "Dança da Rã" (grafado Dança DO rã no arquivo digital disponível pra download, porque eles deviam estar miseravelmente bêbados quando digitaram). O refrão da "Dança da lagartixa" é um dos pontos altos da alta (sic) Literatura Brasileira: "Ermínio não é gay / Ermínio não é bixa / Ele só tá dançando a dança da lagartixa). Que conste aqui que esta música é um furto qualificado, originalmente ela foi lançada por uma banda mineira chamada Os Playboys, mas como a proposta conceitual é fuleragem mesmo, vamos dar uma hábeas corpus pros caras.

Outra penca de músicas tem a palavra dança no refrão, num claro esforço coletivo de fazer o ouvinte levantar a bunda cagada do sofá e começar a soltar franga, dançando feito uma bichona no meio da sala. Esta intenção é reforçada pela bandeirosa regravação de "Robocop Gay" dos Mamonas Assassinas. "Vira Vira", da mesma banda, também foi regravada, confirmando a famosa preguiça baiana, até na escolha do repertório.

Vale destacar também o cover de "Puta merda (o sapo bota ovo)" da já clássica banda 3 na Palomba (já contamos a história dessa banda no nosso cabaré, clique AQUI para ler) e "Vagalume Gay". Sim, é cover que não acaba mais, mas é que o disco teve que ser gravado às pressas devido a pressão do mercado. Turbas de consumidores esperavam ansiosamente este produtos nas prateleiras dos Shopping Centers, nas ofertas do site Mercado Livre e nos camelôs mais furrebas das periferias. No próximo lançamento com certeza Ermínio vai dar vazão à sua veia criativa.

O clímax desta obra prima é no final, quando Ermíno Félix, "a voz romântica" finje que vai, começa a ir e acaba não indo, na música "Juras de Amor". A faixa encerra o disco como uma tampa de sarcófago e deixa o ouvinte com aquele olhar de peixe morto em direção ao vazio, suspeitando seriamente que tudo que vivera até então, não passava de uma ilusão. Como o universo pode ser real, se uma coisa dessas pode existir?

Numa escala de 10 a 10, a nota do disco é dez. Outras escalas são para fracos e perdedores e Bonde do Serrote Volume 1 é um disco para fortes. Podes crer, acredite em mim. O cidadão pode baixar o disco direta e gratuitamente do site da banda (link no final do post), por sua própria conta e risco. Eu recomendo, até por questão de experiência. É como dar a bunda, você nunca terá certeza que é realmente macho, sem ter feito isso e não gostado.

...

Site oficial do Bonde do Serrote. Clique e baixe logo o disco, seu corno da disgrama!!

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Faringes da Paixão - Fofolete do Cão


A cidade do Recife definitivamente perdeu a vergonha e assumiu sua identidade brega. Além dos MCs da periferia fazerem muitos shows na zona sul, alguns jovens da classe média resolveram montar bandas no estilo. As festas do Brega Naite frequentemente lotam e fama de serem uma das divertidas não pára se espalhar.



Quando estive na cidade no primeiro semestre assisti o show da Victor Camarote e Banda Arquibancada numa festa perto do Forte Cinco Pontas. Na época faria uma matéria sobre os caras, mas como na saída fui miseravelmente espancado e assaltado pelos jagunços de Isaias CDs da A3 Entretenimentos e tive digital e celular roubados, perdi o material fotográfico e acabei me desestimulando em escrever.

Outra banda quem vem fazendo um sucesso crescente na cena é a Faringes da Paixão. Recentemente eles lançaram o clipe da música "Fofolete do Cão", que disserta acerca de um destino inevitável, reservado aos membro do gênero masculino. Apresentamos a nossos estimados leitores esta obra-prima. E que sirva de alerta. Depois não venham de mimimi reclamando que não foram alertados.


sexta-feira, 4 de maio de 2012

Dudu Borges & A Profecia de Gaspar


Não é de hoje que se comenta que foi o Tradição, com a formação da época de Michel Teló, que moldou aos poucos a sonoridade atual da música sertaneja. Apesar todos os membros da banda na época terem participado na criação da receita, um cara oriundo da música gospel também teve uma participação fundamental: Dudu Borges.


Com a debandada geral que ocorreu na banda (história que ainda vamos detalhar aqui no cabaré) depois que Michel saiu, Dudu passou a produzir discos de terceiros, dando continuidade no processo de modernização da música sertaneja que começou com o Tradição. O disco "Curtição" da dupla João Bosco & Vinicius hoje já pode ser considerado Discoteca Básica e influência fundamental para a pegada pop que o gênero assimilou nos últimos anos.

Mas Dudu seguiu em frente, sempre inovando e esbanjando criatividade, culminando no disco "Aí já era" de Jorge & Mateus, um dos melhores discos sertanejos de todos os tempos. Só que daí pra frente parece que algo se perdeu. O produtor começou a brigar com outros produtores, tendo crises de arrogância e egolatria e com isso sua criatividade foi para o ralo. Nunca mais conseguiu produzir nada que obtivesse o destaque que conseguia em suas produções anteriores.

É fato que sua parceria atual com Michel Teló está rendendo horrores em termos de dinheiro e colocou os europeus de quatro. Mas é um sucesso inócuo, uma bolha de ar que quando estou vai deixar os dois com uma mão na frente e outra atrás, porque na ânsia de conseguir sucesso a qualquer preço, esqueceram-se de um detalhe crucial: a construção de uma base sólida de fãs.

Dudu Borges atualmente anda dando sinais de que o rumo foi miseravelmente perdido. A maior prova é o single e clipe novo da dupla Bruninho & Davi. Ali não tem quase nada de sertanejo. A sanfona está lá só pra não assustar completamente os fãs do gênero. O que antes era modernização, agora transformou-se em demonização, parece que o rapaz quer esquecer que um dia foi produtor sertanejo e com isso, levar o gênero inteiro para o buraco.

Isso tudo me faz lembrar dos comentários feitos por um tal de Gaspar, no site Blognejo. Esse cara sempre foi um mistério, ninguém sabe sua identidade e ele sempre alertou para o apocalipse sertanejo que ocorreria caso essa tal modernização não fosse feita com cuidado e com a devida preocupação artística. Lá atrás, há mais de três anos atrás Gaspar já alertava que do jeito que as coisas estavam se encaminhando, a ganância financeira ditaria as regras e a Era de Ouro transformaria-se na Era de Bosta.

A Profecia de Gaspar parece estar cumprindo-se e o produtor Dudu Borges tem uma parcela de culpa enorme em suas costas. E agora Gasparzinho, quem irá nos salvar?

quinta-feira, 3 de maio de 2012

A derrocada da Blogosfera Sertaneja


Aviso logo que este post será navalha na carne. São todos meus amigos. Só que amigos tem carta branca, dizerem umas verdades uns aos outros, se cobrirem de pancadas e depois terminarem dando risadas na mesa de um bar. Espero aconteça isso, assim como espero que esses cornos me ouçam.

Eles tem medo do empresário/LoboMau, quando o correto deveria ser o contrário

A mesmice tomou conta da trinca de blogs Blognejo, Universo Sertanejo e Caipira de Prédio. Questão de apenas um ano atrás o cenário era bem outro. Universo Sertanejo era um blog de notas e noticias rápidas, Blognejo era de análises aprofundadas e Caipira de Prédio era a terceira via, iniciando suas atividades e buscando um identidade própria e diferenciada.

Agora estão todos iguais, todos publicam notas, videos e lançamentos e o pior, geralmente com os mesmos temas e sem um pingo de análise crítica, salvo raras exceções que nada mais fazem do que confirmar a regra.

O motivo que levou meus amigos a amargarem esta triste realidade todos comentam a bocas pequenas, mas ninguém vem a público para escancarar. Como acreditamos que revelando todo o esquema, estaremos fazendo um bem para a música sertaneja e para nossos próprios leitores, é justamente isso que faremos aqui.

Foram cooptados e feitos reféns pelos grandes empresários e produtores através de convites para "cobrirem" grandes eventos e terem contato próximo com os astros. As aspas colocadas no verbo cobrir da frase anterior são o ponto chave da questão: as coberturas são chapas brancas, fazem vistas grossas para todo e qualquer aspecto negativo.

Resultado: acabou a crítica especializada na música sertaneja.

A desculpa mais frequente que os três mosqueteiros apresentam é o acesso a informações privilegiadas. Mas de que adianta esse acesso se as informações acabam por serem sub utilizadas, para prejuízo de seus próprios leitores. Esse é outro ponto chave da questão: o comprometimento de um blog gerador de conteúdo deve ser com seus leitores e não com o mercado, que é o que está acontecendo.

Fora o espectro maligno dos posts pagos, que se recusa a silenciar. A história do cara que ganhou uma BMW de um empresário e fechou um acordo anual de dezenas de milhares de Reais com outro empresário já é folclórica na blogosfera. A farsa do separação de Zézé di Camargo & Luciano também apoiou-se em alguns blogs para ser aquitetada.

Sei que essas são palavras duras, que talvez venham a ferir egos e arranhar reputações, mas são palavras necessárias. Repito, os três são meus amigos, camaradas de longa data e adoraria que calassem minha boca com um réplica bem feita, bem argumentada e que confirmasse o velho ditado de minha falecida vovozinha, de que a língua é o chicote da bunda.

Avante amigos, o farol está acesso e ainda há tempo de ajustar o rumo antes da batida com o iceberg!

...
Ps.: do Cafetão: Leiam abaixo a resenha crítica da gravação do DVD de Cristiano Araújo, escrita pelo blogueiro Gabriel Orriz, que atualiza o melhor blog de downloads de sertanejo.  Este post é um exemplo a ser seguido.
Cobertura - Gravação segundo DVD de Cristiano Araújo

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Circuito Tecnomelody - O show + Tecnomelody Fest Music é a invasão nacional pelo tecnobrega

As bandas de tecnobrega estão se organizando em caravanas para percorrer o Brasil a aproveitar o bom momento que o rimo está vivendo.



 De um lado temos a Tecnomelody Fest Music com Banda Batidão, Bruno & Trio, AR-15 e MSynck e de outro Circuito Tecnomelody - O show com ARK, Anjos do Melody, Os Brothers e Xeiro Verde. Parece que o pessoal finalmente aprendeu as lições históricas e resolveram se unir. A cena do tecnobrega sempre foi por notória por uns tentarem comer os outros vivos, o que sempre adiou o estouro nacional do ritmo e que culminou da época em que os baianos da Djavú estouraram com músicas roubadas. Agora que Gaby Amarantos abriu a porteira - e com esses dois projetos conjuntos - finalmente a coisa tem tudo para muito certo.

 É a tão esperada e adiada invasão do tecnobrega paraense .

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More